Blog

Maternidade Uncategorized

PAPEL DA FISIOTERAPIA NA PREPARAÇÃO PARA O PARTO E NO PÓS-PARTO

PAPEL DA FISIOTERAPIA NA PREPARAÇÃO PARA O PARTO E NO PÓS-PARTO

Preparação para o nascimento e parentalidade

Nesta parte, o objetivo é desconstruir o medo do desconhecido, visto que este é certamente a maior fonte de ansiedade dos futuros papás.

É necessário ajudar os pais na experiência do parto e prepará-los para receber o bebé, fornecendo assim informações básicas, mas vitais para cuidar do novo membro da família.

Serão abordados vários temas, tais como, as alterações da anatomia e fisiologia da grávida e as diferentes fases do parto.

Nas aulas de preparação irá aprender técnicas para diminuir a ansiedade e o medo em relação ao parto, assim como alguns exercícios de tonificação muscular e fortalecimento do períneo, exercícios de relaxamento e gestão da dor no parto. Ficará ainda a conhecer algumas recomendações sobre a amamentação, os cuidados com o bebé, dicas sobre segurança, conselhos para o primeiro mês, entre muitas outras informações pertinentes.

O foco é preparar os pais para este mundo desconhecido que é a maternidade, dotando-os de todas as ferramentas disponíveis para encarar a gravidez e o bebé da melhor forma.



Quando a grávida é uma mulher dinâmica e quer-se manter ativa até ao final da gravidez também tem a possibilidade de frequentar as classes de exercício adaptado a esta nova fase da sua vida.


Classes de exercício adaptado à gravidez

A prática regular de exercício físico, além de promover o bem-estar físico e psicológico, ajuda na manutenção do peso corporal e permite que a recuperação no pós-parto seja mais fácil.  

Há evidência científica que a prática regular de exercício tem um efeito protetor na diabetes gestacional e na pré-eclampsia.

O exercício físico é recomendável a todas as grávidas saudáveis.

A OMS recomenda exercício físico regular de pelo menos 150 minutos por semana a adultos entre os 18 e os 64 anos. Sabemos que na população das gestantes isso não acontece, por isso torna-se importante adquirir estes hábitos de vida.

As nossas classes terão uma frequência de três vezes por semana.


Classes pós-parto

A Fisioterapia Pós-parto tem como principal objetivo auxiliar o corpo da mulher a adaptar-se à perda repentina de peso, à alteração do centro de gravidade e aos ajustes posturais associados. O exercício físico específico e monitorizado no período pós-parto é a chave para o retorno rápido e máximo da função muscular para a restauração da saúde da mãe.

Após o nascimento do bebé, e assim que as suas rotinas estiverem estabelecidas, as mulheres podem iniciar um programa de exercícios adaptados ao pós-parto.

Após duas semanas(parto eutócico) ou seis semanas (cesariana), já há indicação para iniciar o programa.

De qualquer forma, é fundamental consultar sempre o seu médico antes de iniciar este processo. Só ele saberá se a fase em que se encontra é a ideal para o seu início.

Os objetivos do programa nesta fase são: ganho de força da musculatura do assoalho pélvico e da musculatura abdominal, reeducação postural, condicionamento físico e relaxamento.

É ainda fulcral dar início ao trabalho abdominal para retornar à sua tonicidade muscular e corrigir a diastase abdominal.

As novas atividades desta nova realidade, como a amamentação associadas à perda de força global e falta de controlo abdominal costumam trazer dores lombares e cervicalgias.   Serão realizados exercícios e alongamentos para minimizar este quadro, assim como outras possíveis complicações e desconfortos músculo-esqueléticos.

O condicionamento físico é extremamente importante para ajudar na recuperação no pós-parto. Os seus benefícios vão auxiliar na reabsorção do excesso de líquido retido na gravidez, aumentar o retorno venoso, diminuindo a estase das veias varicosas, melhorando a eficiência da função cardíaca e pulmonar, auxiliando a puérpera a retornar para as suas tarefas do dia a dia com mais facilidade, auxiliando a perda de peso e diminuindo o stress e ansiedade.

Durante a gravidez, o pavimento pélvico é um dos responsáveis por sustentar o peso abdominal e extrapélvico (bebé, útero, placenta e líquido amniótico). No parto, o pavimento pévico pode sofrer disfunções, tais como como a perda da sua tonicidade muscular e de laxidez ligamentar com possíveis  rupturas e/ou alterações da sua função.

Problemas como incontinência urinária de esforço, obstipação e dor podem surgir nesta fase. Este trabalho é fundamental para acelerar a recuperação pélvica.

Write a Comment